fbpx

Educação Socioemocional: o que é e por que é tão importante?7 min read

A educação socioemocional começou a ganhar mais espaço nas discussões no meio da educação quando as habilidades passaram a estar na (BNCC) Base Nacional Curricular de Ensino.

Quando paramos para pensar, realmente não faz sentido termos uma escola que prepara os alunos apenas para testes padronizados, ou para uma carreira profissional, e deixa de lado o desenvolvimento das emoções.

A cada dia, mais pessoas reconhecem que os indivíduos com inteligência emocional são os mais preparados para ter cargos de liderança e ganhar protagonismo na sociedade.

Se falamos de educação, é claro, devemos falar também de educação socioemocional. Que habilidades desenvolver? Como as escolas podem ajudar alunos a terem mais inteligência emocional?

Buscamos trazer algumas informações importantes neste post para te ajudar com essas dúvidas. Boa leitura 🙂

O que é a educação socioemocional?

Educação socioemocional é o meio em que alunos aprendem, dentro do ambiente escolar, a gerir bem suas emoções.

Por meio de práticas específicas, o ser humano pode desenvolver habilidades que vão permitir que ele tenha mais qualidade de vida, mais preparo para os desafios na carreira e na vida pessoal, além de melhor capacidade em conviver bem com os outros.

Por meio da educação socioemocional, os alunos são desafiados a gerir melhor a emoção e pensamentos. Aprendem a lidar com as adversidades e compreender que, nem sempre, as coisas acontecem da forma como querem, mas mesmo assim sabem reagir bem a cada situação.

Uma boa educação emocional permite que alunos ganhem mais preparo para a liderança, e para falar bem em público. Além disso, a inteligência emocional contribui para que tenham mais foco e vivam relacionamentos saudáveis em todos os ambientes.

Na escola, o aluno pode ser preparado para lidar com o medo, tristeza, insegurança, amor, alegria e outros sentimentos. Dessa forma, as crianças e jovens podem ter uma vida mais saudável e próspera.

Como consequência da educação socioemocional, os alunos passam a estar preparados para aprender melhor, para serem mais disciplinados, e isso por si só eleva também todos os outros resultados da escola.

Por si só, ao ver todos estes benefícios você deve estar pensando: isso é algo apenas para alunos? Certamente não. Até porque, o desenvolvimento da inteligência emocional, assim como qualquer outro tipo de inteligência, é contínuo.

E só o fato de ajudar as crianças e jovens a cuidarem melhor da saúde emocional vai te ajudar também identificar oportunidades de melhoria nos hábitos e comportamento em geral.

Como trabalhar o desenvolvimento socioemocional na escola?

Na BNCC, as competências socioemocionais estão presentes em todas as 10 competências gerais. A partir de 2020, todas as escolas devem contemplar as competências socioemocionais nos currículos. Para que este tipo de conhecimento seja bem desenvolvido, podemos focar no desenvolvimento de cinco diferentes habilidades.

Autoconhecimento

Envolve o conhecimento de cada pessoa sobre si mesma. Envolve compreender bem suas forças e limitações, sempre mantendo uma atitude positiva, voltada para o crescimento.

Em seu livro Mindset: A Nova Psicologia do Sucesso, a psicóloga Carol Dweck conta que, para que as pessoas atinjam excelência, elas precisam ter uma mentalidade positiva, ou seja, elas devem compreender que podem evoluir com esforço e treino, seja qual for o desafio.

Por isso, o autoconhecimento pode ser tão importante. Com ele, os alunos podem ter mais autonomia, preparo e criatividade para seguirem seus propósitos, ter paixão pelo que estudam, e com isso aprender melhor.

Autogestão

Relaciona-se ao gerenciamento eficiente do estresse, ao controle de impulsos e à definição de metas. Alunos que sabem controlar bem suas tarefas são mais autônomos e menos dependentes de estímulos externos para estudar. Além do mais, sabem ter disciplina e foco em direção aos seus objetivos.

Consciência social

Necessita do exercício da empatia, do colocar-se “no lugar dos outros”, respeitando a diversidade. Essa habilidade faz com que as crianças e os jovens tenham compaixão com os colegas e fiquem longe de cometer bullying e outras agressões.

Habilidades de relacionamento

Relacionam-se com as habilidades de ouvir com empatia, falar clara e objetivamente, cooperar com os demais, resistir à pressão social inadequada (ao bullying, por exemplo), solucionar conflitos de modo construtivo e respeitoso, bem como auxiliar o outro quando for o caso. Saber se relacionar vai ajudar em tudo, seja durante a vida escolar, seja depois dela.

Tomada de decisão responsável

Tem como objetivo que o aluno tenha sabedoria suficiente para fazer escolhas inteligentes e ter interações sociais de acordo com as normas. Que consiga ter cuidados com a segurança e padrões éticos de uma sociedade. Tem a ver diretamente com viver bem em sociedade, pensar no bem comum e agir de acordo com os bons princípios.

Quais as competências socioemocionais mais importantes para os educadores?

Poder falar do desenvolvimento das emoções no ambiente escolar é um claro sinal de evolução. Esta preocupação não era tão grande antes, e, talvez por isso, os casos de depressão e ansiedade tenham aumentado muito entre crianças e jovens. Segundo a OMS, em 2030 é possível que a depressão seja a doença mais comum do mundo. Então, é claro, o cuidado com a inteligência emocional não deve estar restrito aos alunos, e sim ser uma preocupação de todos. O jornalista científico Daniel Goleman, referência nessa área de estudos, listou 12 características que pessoas com inteligência emocional devem desenvolver. Vamos a elas:

Autoconsciência emocional: você conhece bem suas fraquezas e seus potenciais.

Autocontrole emocional: capacidade de gestão das próprias emoções.

Adaptabilidade: entende que as coisas mudam o tempo todo e sabe se adaptar bem independente do cenário.

Mente aberta a orientações: entende que feedbacks são apenas feedbacks, e não leva comentários profissionais para o lado pessoal.

Visão otimista: prefere ver o lado bom das coisas e assim fica atento às oportunidades.

Empatia: sabe se colocar no lugar do outro.

Sensibilização organizacional: compreende bem a emoção dos outros e sabe assim tomar melhores escolhas.

Capacidade de influenciar e liderar: sabe deixar as pessoas engajadas com o aprendizado ou projeto.

Pode ser um mentor: inspira confiança para ensinar.

Sabe mediar conflitos: entende como agir em momentos complicados.

Sabe trabalhar bem em equipe: compreende as diferenças das pessoas e se adapta bem a diversidade.

Liderança que inspira: motiva as pessoas a seguirem o mesmo sonho.

Como desenvolver as habilidades socioemocionais dos alunos?

Para que a escola consiga bons resultados, é importante aliar o conteúdo de sala de aula à comunicação com as famílias. Portanto, aproveite os momentos que tem com os pais para trocar ideias e informações sobre os alunos. Pois quando os pais têm um cuidado maior com o aspecto emocional das crianças, tudo se torna mais fácil. Na educação infantil, especialmente, é importante incentivar que os pais passem tempo de qualidade com os filhos, porque isso fará toda a diferença no desenvolvimento saudável de suas emoções.

Algumas ideias de ações na escola podem ajudar que o aluno desenvolva habilidades cognitivas. Dinâmicas ao ar livre, jogos em grupo, desenhos e pinturas, jogos em grupo, entre outras atividades, podem ajudar bastante. Falamos mais sobre isso neste artigo.

E aí, gostou das nossas dicas? Pronto para ter uma educação socioemocional que prepara os alunos para a vida? Deixe abaixo seus comentários!

*Este artigo é uma parceria com a Marketing Edu, acesse o site e saiba mais.