fbpx
habilidades cognitivas

Habilidade cognitivas: saiba quais são e como desenvolvê-las em sala de aula6 min read

O ensino e aprendizado envolve uma série de fatores e a maioria deles está ligada às habilidades cognitivas. Afinal, ensinar é mais que transmitir conteúdos de A para B e aprender também não é um processo linear, pois depende de características emocionais e sociais desenvolvidas em sala de aula.

A cognição é o processo usado pelo cérebro para reconhecer e organizar informações por meio da atenção, memória, imaginação, associação, raciocínio etc. É importante que as habilidades cognitivas das crianças sejam estimuladas com o esforço tanto da família quanto da escola, pois são grandes responsáveis pelo desempenho nos estudos.

Saiba mais:
Aula prática: desenvolvendo as habilidades dos alunos
Entenda como a tecnologia pode ajudar o aluno a se adaptar à escola
Práticas tecnológicas na educação inclusiva nas escolas

Como se trata de faculdades naturais do ser humano, elas devem ser desenvolvidas desde o ensino infantil. A seguir, conheça algumas dicas que podem contribuir para a formação emocional e social dos alunos da sua escola.

Dinâmicas ao ar livre

Fortalecer as habilidades cognitivas da criança significa ir além das atividades do ensino tradicional de Português, Matemática, entre outras matérias. Isso significa envolver os alunos em atividades extracurriculares que visam explorar a análise crítica e ética. As dinâmicas ao ar livre são ótimas estratégias para além das salas de aula.

Um bom exemplo são as práticas de plantio e jardinagem. O cuidado com as plantinhas, como saber fazer a plantação e regar mudas, é uma atividade que desperta a consciência ecológica e é interessante para crianças de todas as idades.

Jogos em grupo

Os jogos em grupo desempenham o importante papel de estimular as habilidades cognitivas de raciocínio lógico e autoconfiança, por isso é uma ótima abordagem para usar em sala de aula.

Dinâmicas que trabalham com a divisão em times exigem que as pessoas agreguem diferentes percepções em um só objetivo, façam planejamentos em grupo e desempenhem funções específicas para alcançar bons resultados.

Ficar responsável por uma das peças de todo o sistema não só gera um senso de pertencimento ao aluno, mas também o colocar em uma posição de liderança. No final, saber que a confiança no próprio trabalho trouxe resultados satisfatórios para o grupo é uma ótima dose de autoestima!

Diálogo e expressão das ideias

A escola pode ajudar o aluno a compreender a diversidade da sociedade e exercitar a empatia desde muito cedo. Isso é importante para evitar casos de bullying no ambiente escolar. É dessa forma que as crianças de hoje se tornarão cidadãos honestos e conscientes do seu papel no futuro.

Para isso, habilidades cognitivas importantes devem ser estimuladas. O relacionamento interpessoal e a disposição para entender diferentes percepções de mundo exigem atenção, raciocínio lógico e boa capacidade de comunicação e habilidades como essas podem ser treinadas em sala de aula!

Permitir que os alunos exponham suas interpretações dos textos e trazer para a turma temas em discussão na sociedade, considerando a maturidade e a série dos alunos, são ótimas estratégias.

Jogos de tabuleiro

Engana-se quem pensa que os jogos de tabuleiro são apenas para diversão, pois eles são ótimas opções para estimular a capacidade de memória, raciocínio lógico e abstração.

A escola pode usar os jogos de tabuleiros de diferentes maneiras: deixá-los disponíveis para os alunos no horário de intervalo, usá-los em sala de aula para compreender assuntos da Matemática que envolvem raciocínio lógico e inseri-los nos jogos internos (para as escolas que promovem esse tipo de evento esportivo). Alguns dos mais famosos jogos de tabuleiros são: xadrez, dama, gamão, moinho e Baduk.

Desenho e pintura

A arte faz bem para a saúde mental, mesmo se você não for bom nisso. É esse o resultado de um recente estudo publicado no renomado jornal americano Art Therapy. Os pesquisadores constataram uma considerável redução de “hormônios do estresse”, como o Cortisol, em um grupo de 33 estudantes que passou por um breve experimento de criação artística.

É ou não um bom motivo para levar a arte em consideração na rotina escolar? Promover espaço para os alunos expressarem sentimentos, angústias e alegrias não só é relaxante, mas estimula áreas do cérebro ligadas à criatividade e ao senso estético (sensibilidade para analisar, apreciar e julgar obras da literatura, pintura, música e de outras formas de arte).

O desenho e a pintura são ótimos exemplos e formas de expressão que podem ser praticadas tanto por alunos do ensino infantil quanto do fundamental e médio.

Atividades de adivinhação

Outras atividades que promovem o desenvolvimento das habilidades cognitivas são os jogos de adivinhação. A maioria deles é praticada cooperativamente, ao exigir que os participantes ajudem uns aos outros com pistas.

Nesse tipo de dinâmica, a associação de informações e a criatividade são as habilidades mais exploradas. São bons exemplos: batalha naval e jogo da forca.

Jogo dos olhos vendados

Por fim, queremos deixar uma excelente e simples sugestão para fortalecer a confiança e a cooperação entre os alunos: o jogo dos olhos vendados. É uma dinâmica que pode ser feita por pessoas de todas as idades, mas é especialmente valiosa para os jovens. O jogo funciona da seguinte maneira:

  • uma pessoa deve guiar outra que está de olhos vendados;
  • aquela que está de olhos abertos deve por uma das mãos sobre o ombro da outra pessoa e ajudá-la a percorrer um caminho pré-definido;
  • é importante que a dupla intercale entre os dois papéis para que a experiência seja bem-sucedida;
  • o jogo pode ser feito dentro do próprio ambiente escolar, com dicas espalhadas ao longo das trilhas.

Para o condutor, cabe a responsabilidade de respeitar o parceiro e transmitir mensagens de confiança. Para o conduzido, cabe as tarefas de confiar no amigo e passar pelo desafio que as pessoas com deficiência visual enfrentam diariamente. Ou seja, Garantir que os alunos tenham ambas as experiências é um exercício de empatia e sensibilidade inesquecível.

O desenvolvimento das habilidades cognitivas em sala de aula demonstra que, além de investir em questões como um sistema para gestão escolar, estratégias de captação de alunos e infraestrutura, é importante exercitar a formação socioemocional e ética dos alunos. Processo esse que também exige a formação de bons educadores.

Gostou das dicas? Para ter acesso às nossas novidades, não se esqueça de seguir a Escolaweb nas redes sociais. Estamos no Facebook, Instagram, YouTube e LinkedIn.