reprovação escolar

Por que a reprovação escolar influencia na evasão de alunos e como evitar?7 min read

É fato que o Brasil é um país que tem altos índices de reprovação escolar, tanto no ensino fundamental quanto no ensino médio. Tal fato pode ser constatado, inclusive, pelo atraso escolar de muitos estudantes brasileiros.

Segundo dados do portal QEdu, 26% dos alunos do ensino fundamental II (6º ao 9º ano) têm atraso escolar de dois ou mais anos. Infelizmente, no ensino médio, a situação não é melhor: cerca de 27% dos estudantes têm dois ou mais anos de atraso escolar.

Saiba mais:
Como utilizar os indicadores de desempenho escolar?
Como o acompanhamento pedagógico desenvolve o processo de ensino
Entenda a importância do planejamento escolar na sua instituição

Esse fato contribui, entre outros fatores, para o acréscimo das taxas de evasão escolar. Diante dessa triste realidade, elaboramos este artigo que aborda a relação entre reprovação escolar e evasão de alunos. Quer saber mais? Então, continue a leitura!

Quais são as causas da reprovação escolar?

Diante da alta taxa de reprovação escolar no Brasil, é possível constatar que não há apenas um fator que possa ser apontado como o grande causador, e sim um conjunto de situações e fatos que fomentam a reprovação escolar no país. A seguir, listamos os principais.

Métodos de avaliação desgastantes

Uma das causas da reprovação escolar são as avaliações massantes. De maneira geral, as escolas adotam uma maratona de provas sobre as mais variadas matérias.

Muitas vezes, o aluno precisa conciliar e estudar diversas disciplinas ao mesmo tempo, o que pode comprometer o seu desempenho em uma ou mais delas. Nesse modelo, uma prova ruim, por exemplo, compromete não só a aprovação do aluno naquela matéria como também o desempenho dele nas demais.

Poucas aulas de monitoria

É normal que certos alunos tenham dificuldades em determinadas matérias, como matemática ou português. Para diminuir os índices de reprovação, é interessante fazer uso de aulas de monitoria, com maior enfoque em tirar dúvidas e resolver questões.

Nessas aulas, o ensino é mais personalizado, o que tende a ajudar bastante os estudantes com dificuldades. Caso a ausência de professores seja um problema, a escola pode estimular que os próprios alunos interessados deem aulas sobre certas disciplinas nas quais eles têm facilidade, em troca, por exemplo, de receberem aulas sobre conteúdos que tenham dificuldade.

Poucas atividades complementares

O ensino vai muito além da sala de aula. O método tradicional, se utilizado de maneira excessiva, torna a rotina entediante e desestimulante, o que compromete o interesse dos estudantes nas matérias.

Fomentar que os professores passem filmes e promovam jogos educativos, por exemplo, pode tornar o ensino mais lúdico e contribuir para a diminuição dos índices de reprovação.

Falta de diálogo com os pais

A escola, sem dúvidas, é fundamental para o desenvolvimento dos indivíduos — tanto como estudantes, quanto como pessoas. Porém, a família ainda é a base de tudo.

Nesse sentido, é fundamental manter um contato constante com os pais do aluno, principalmente se ele estiver com baixa frequência ou notas muito baixas. Isso manterá a família atenta e mais disposta a ajudar o estudante a superar as suas dificuldades.

Pouca utilização da tecnologia a seu favor

Estamos no século XXI. Já pensou, por exemplo, como eram os hospitais 50 ou 60 anos atrás? Com muito menos recurso tecnológico e com uma medicina bastante ultrapassada, não é verdade?

Contudo, ao pensarmos nas escolas, vemos que o mesmo modelo é aplicado a vários anos. É como se os avanços tecnológicos tivessem atingindo a toda a sociedade, mas a sala de aula fosse uma bolha inatingível.

Portanto, para ajudar os alunos a atingirem melhores resultados, é sempre interessante fazer uso dos recursos tecnológicos, como lousas digitais, projetores e, até mesmo, plataformas digitais de ensino, para o aluno estudar de onde quiser e no horário que preferir.

Como a reprovação interfere na evasão escolar?

A realidade é triste e impressionante, mas, de acordo com dados do Pnud (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento), o Brasil tem a 3º maior taxa de evasão escolar dentre os 100 países com maior IDH (Índice de Desenvolvimento Humano).

Além disso, estima-se que 40,8% dos brasileiros não concluem o Ensino Médio até os 19 anos. Tal realidade tem vários fatores, alguns, inclusive, fora do alcance das escolas, como desigualdade social e miséria.

No entanto, as instituições de ensino podem atuar para reduzir tais índices de evasão. Afinal, muitos alunos abandonam a escola por dificuldade de aprendizado por meios tradicionais.

Como vimos no tópico anterior, métodos de avaliação desgastantes diminuem o tempo que o aluno tem para absorver o conteúdo, o que compromete o seu resultado na avaliação e, consequentemente, o seu estímulo para estudar.

Ademais, o pouco uso de ferramentas digitais e a ausência de atividades extracurriculares tende a tornar a rotina dos estudantes muito mais entendiante, o que também interfere no seu desempenho nas provas e no seu interesse em frequentar a escola.

Como a escola pode atuar para diminuir a reprovação e a evasão?

Tendo como base algumas das causas da reprovação, essas instituições de ensino podem atuar de modo a buscar menores índices de evasão escolar. Para isso, ao longo do ano, a escola pode tomar algumas medidas simples, mas com capacidade para afetar o desempenho e o interesse dos alunos.

Busque métodos de avaliação alternativos

Será mesmo que o atual modelo de avaliação é justo e eficiente? De modo a exigir do aluno o desenvolvimento de novas habilidades, os professores podem promover novos métodos avaliativos.

Trabalhos em grupo e apresentações orais são válidos, mas que tal a elaboração de resumos e fichamentos sobre determinados tópicos das matérias? Essas atividades podem ser utilizadas como avaliações e ainda ajudam a desenvolver as habilidades sociais dos estudantes, assim como o hábito da leitura.

Promova aulas de monitoria

Como o tempo das aulas comuns é bastante curto para atender um número grande alunos, os estudantes podem ficar com dúvidas sobre a matéria. E é aí que entram as aulas de monitoria, que são mais personalizadas para tirar as dúvidas dos discentes e ajudá-los a resolver as questões.

Caso todos os professores estejam com a grade cheia, uma alternativa é buscar entre os próprios alunos algum que esteja disposto a ajudar o outro, em troca de receber auxílio em determinada disciplina.

Marque reuniões com os pais

Ninguém conhece mais um filho do que um pai. Ao manter contato com os responsáveis, escola e pais podem trabalhar juntos para auxiliar o aluno a melhorar o seu desempenho.

Ao deixar os responsáveis cientes do desempenho do discente, é possível que eles tomem medidas, como aulas de reforço, para ajudar seu filho.

Invista em ferramentas digitais

Por fim, mas não menos importante, a escola pode investir em recursos tecnológicos para ajudar os estudantes a melhorarem o seu desempenho. Bibliotecas digitais, videoaulas e podcasts, por exemplo, podem ser um investimento promovido pela escola que valha a pena no longo prazo.

Neste texto, vimos que a reprovação escolar e a evasão estão relacionadas. Além disso, analisamos quais as causas da reprovação e o que a escola pode fazer para evitá-la.

Gostou do artigo? Para receber mais conteúdos como este em primeira mão, assine a nossa newsletter!

reprovação escolar